[ editar artigo]

Corte químico

Corte químico

O que é o corte químico?

O corte químico costuma acontecer quando utilizamos químicas incompatíveis no cabelo, resultando em uma quebra muito agressiva.

Quando misturamos produtos que contém metais como o nitrato de prata ou acetato de chumbo com hidróxido de amônio e persulfato de amônio, encontrado nas colorações acontece uma reação química, o cabelo começa a esquentar e para se resfriar ele começa a liberar água, doando assim toda a sua camada hidro lipídica. É aí então que acontece a quebra. Mas não é só isso: o corte químico também pode resultar do excesso de químicas como alisamentos, relaxamentos, descolorações, selagens e progressivas em cabelos já fragilizados. Assim como também pode acontecer em um cabelo saudável se o cabelo não aguentar tal procedimento.

Como evitar?

Só existe uma maneira de nós, profissionais nos respaldarmos e trabalharmos com total segurança. Em primeiro lugar, um bom diagnóstico. Tenha uma boa conversa com sua cliente. Procure saber qual é a situação daquele cabelo e como está a saúde desse fio. Quais os produtos que ela usa diariamente e qual tipo de química ela usou ultimamente. Em segundo lugar, mas não menos importante, o teste de mecha, ele não pode faltar. Ele é nosso aliado, pois ele é quem nos garante que o resultado sairá como esperamos e se aquele cabelo tem condições de passar por esse procedimento sem que tenhamos nenhuma surpresa desagradável.

Quebrou... emborrachou... e agora?

Em qualquer um desses casos o resultado será um cabelo poroso, frágil ou com quebra. No caso da quebra eles partem exatamente na emenda onde o produto foi aplicado. Em alguns casos eles não partem na hora, como no caso das progressivas e selagens que por os fios estarem encapados ficam ótimos na hora, mas o problema vem depois quando começam a partir.

Quando um cabelo passa por processo de corte químico ou emborrachamento, ele perdeu toda sua massa proteica. Diante de tamanho estrago, a solução é se criar um plano de restituição e devolução de toda a massa que foi perdida.

1° Reconstrução- A melhor que seu dinheiro permitir, a base de queratina hidrolisada. Só uma boa reconstrução poderá devolver ao cabelo todas as proteínas que o cabelo precisa. A queratina é a principal proteína do cabelo, formada por 19 aminoácidos.

2° Cortar sem dó- Tem que remover a parte mais danificada, não tem jeito. Sei que isso é doído demais, mas é melhor um cabelo curto tratado do que um cabelo grande parecendo uma espiga de milho.

3° Tenha muita paciência- Não pare no meio do caminho. Converse com sua cabeleireira e peça que ela monte um cronograma capilar para você. 

Cabelos quimicamente tratados precisam de cuidados especiais. O excesso de química prejudica os fios que podem ficar ressecados, sem brilho ou até mesmo quebradiço se você não cuidar deles com dedicação. 

Veja no vídeo o explicação do Alejandro Valente:

Eu já tive corte químico e também já precisei cortar o cabelo por conta da falta de conhecimento de alguns profissionais e porque na época eu també não tinha o conhecimento que tenho hoje.

O mercado da beleza está crescendo cada dia mais e cabe a nós, profissionais acompanharmos esse crescimento com responsabilidade e consciência, entregando às nossas clientes os resultados que elas foram buscar, pois o conhecimento está ao alcance de todos.

Juliana Alcântara 

Equipe Valente - Colorimetria
Juliana Alcantara
Juliana Alcantara Seguir

Sou Cabeleireira, exerço minha profissão desde 2005. Sou completamente apaixonada pelo que faço. Agora formada Colorimetrista.

Ler matéria completa
Indicados para você