[ editar artigo]

Relaxamento, alisamento e cachos

Relaxamento, alisamento e cachos

Relaxamentos químicos, alisamentos e ondulações permanentes de cachos suaves!

  • Hidróxidos ou tioglicolato? 
  • Entender a reação de redução envolvida nos relaxamentos a base de tioglicolato.
  • Entender a reação de lantionização envolvida nos relaxamentos de hidróxidos.
  • Entender a importância de uma Neutralização apropriada.
  • Definir a lantionização e como ela está relacionada a outros serviços químicos.
  • Usar efetivamente o teste de avaliação pré-relaxamento para determinar a condição do cabelo.
  • Entender as diferenças entre relaxantes de tioglicolato e de hidróxidos.
  • Entender as diferenças entre neutralizantes de tioglicolato e de hidróxidos.


TODOS ESSES FATORES DEVEM SER LEVADOS EM CONSIDERAÇÃO SEMPRE, NOS PROCESSOS QUÍMICOS DE ALISAMENTOS.

O processo de ondulação permanente, enrolar o cabelo liso. O relaxamento químico relaxa e reduz o volume dos cabelos ondulados. Mesmo que os objetivos sejam tão diferentes, o relaxamento químico é semelhante ao permanente. A química dos de relaxamento e dos de ondulações permanente é exatamente igual e, embora a química seja totalmente diferente, todos os relaxantes e permanentes mudam o formato do cabelo quebrando as ligações de dissulfeto.
Essas técnicas requerem grande cuidado e conhecimento. Erros podem causar danos irreparáveis.

QUÍMICA DO RELAXAMENTO CAPILAR

O cabelo memoriza sua forma natural e resiste às tentativas de muda-la; ele contém milhões de cadeias polipeptídicas com fortes ligações laterais de dissulfeto. As ligações de dissulfeto, peptídicas, de sal e de hidrogênio trabalham juntas para criar a surpreendente e forte estrutura de cabelo. Os relaxantes alisam o cabelo enrolado quebrando as ligações laterais de dissulfeto.

TIPOS E ESTRUTURAS DO CABELO

Uma avaliação completa do tipo e condições do cabelo a ser relaxado é necessária para minimizar possíveis danos, tanto ao cabelo quanto ao couro cabeludo do cliente, é importante detectar as diferenças, entre os tipos diferentes de cabelo e os resultados esperados do relaxamento químico.

CABELOS EXTREMAMENTE ENROLADOS

Cabelo extremamente enrolado existe em todas as etnias, isso quer dizer que qualquer um, de qualquer raça ou mistura de raças pode ter cabelo extremamente ondulado. Também é verdade que, na própria raça indivíduos têm cabelos com graus diferentes de cachos, isso acontece entre os afros americanos, que tem os cabelos de quase liso a extremamente crespos. O cabelo extremamente enrolado cresce em longas espirais enroladas. As seções transversais, são muito elípticas e variam em formato e espessura ao longo do comprimento. Comparado ao cabelo liso ou ondulado, que tendem a ter um diâmetro bem regular e uniforme por todo o comprimento do fio, o cabelo extremamente enrolado é bem irregular, variando seu diâmetro em um único fio. As sessões mais finas e fracas do fio do cabelo estão localizadas na torção. Essas sessões também estão curvas em um ângulo agudo e serão mais alisados durante o relaxamento. Uma cadeia é tão forte, quanto seu elo mais fraco, e o cabelo é tão forte quanto sua sessão mais fraca onde ele se quebra. Cabelo extremamente enrolado normalmente se quebram na torção por causa da fraqueza ali localizada e a força da física extra que é necessário paralisá-lo.

CABELO FINO

As ligações no cabelo que devem ser alisadas, estão localizadas no córtex. O cabelo é fino, por isso tem um diâmetro menor que o cabelo normal ou médio, a quantidade de córtex, será menor. Se a cutícula do cabelo não for resistente, a penetração do relaxante será mais rápida e o tempo do processo mais curto.

CABELO POROSO

O cabelo poroso, absorve soluções mais rapidamente que o normal e é naturalmente mais rápido para processar, e menos tempo de processo será requerido.

CABELO GROSSO

Cabelos grossos, tem um diâmetro maior que o tipo normal. Isso resulta em uma área maior de córtex, assim mais ligações de dissulfeto precisam ser rompidas, e o tempo do processo será mais longo, também acontece no caso de às cutículas serem mais resistentes.

CABELO DENSO

O cabelo denso, é geralmente muito grosso, com mais fios por centímetros quadrados que um cabelo normal, o que significa que a mais  cabelo para alisar, portanto será usado mais relaxante para assegurar que todo o cabelo seja totalmente coberto.

CABELO RESISTENTE

Cabelo resistente tem menos probabilidade de ser danificado pelo processamento em excesso, por que a camada de cutícula compacta e apertada, resiste em ser penetrada pelo relaxante.

CONTEÚDO DE ENXOFRE

Alguns cabelos normalmente ruivos e pretos, contém alto teor de enxofre. Isso quer dizer, que há mais ligações de dissulfeto para serem rompidas, o que aumentam o tempo para  relaxar.

AVALIAÇÃO PRÉ-RELAXAMENTO E TESTE DE MECHA

Antes de relaxar o cabelo, três testes devem ser realizado, de elasticidade, da porosidade e de mecha, estes testes junto com a observação cuidadosa, permitem que o cabeleireiro avalie as condições do cabelo.

ELASTICIDADE é a habilidade do cabelo de esticar e voltar ao seu formato original sem quebrar. Normalmente o cabelo pode ter um alto grau de elasticidade, é sinal de dano. Um fio saudável de cabelo molhado pode esticar até 50% o seu comprimento original sem se quebrar. Um fio de cabelo seco pode ser esticado um pouco sem quebrar. Para testar a elasticidade estique um fio de cabelo seco entre seus dedos,  repita esse testes em vários locais, a quebra causada por um pouco de força, demonstra perda de elasticidade, se o cabelo demonstrar uma grande perda de elasticidade, examine-o detalhadamente antes de prosseguir, isso requer uma atenção especial e vários tratamentos de hidratação antes de relaxar.

O teste de mechas alerta sobre problemas em potencial antes que eles aumentem, esse tipo de teste, mostra como o produto age no cabelo do cliente e pre-diz o resultado, que pode ser esperado. Muitos fatores afetam a maneira como o cabelo responde aos tratamentos químicos (porosidade, textura, temperatura e tratamentos químicos anteriores), o teste de resistência de mecha, diminui a chance de uma surpresa desagradável. 

Aplique o creme relaxante, seguindo as orientações do fabricante em uma pequena porção do cabelo. Se uma parte sofrer mais danos, faça um segundo teste de resistência de mecha no cabelo danificado. Verifique os fios a cada 3 ou 4 minutos até o relaxamento estar completo, enxague, neutralize, lave e seque. Então faça o teste de elasticidade, não dê continuidade ao processo de relaxamento se os fios testados ficarem muito secos, ou se quebrarem facilmente. Para avaliar a porosidade corretamente verifique partes diferentes da cabeça (a linha frontal, atrás da orelha e a coroa), gentilmente escorregue um  único fio (ou alguns) de cabelo entre os dedos da ponta para o escalpo... cabelo normal, a resistência parece macio e sedoso. As asperezas, indicam as cutículas danificadas, o cabelo danificado tem uma textura mais áspera, usando mais alguns fios repita o teste várias vezes.
Cada um destes testes irá te ajudar a avaliar as condições do cabelo antes de fazer o relaxamento. As avaliações para relaxamento, são uma forma muito importante de evitar o processamento em excesso, ou danos, eles devem serem feitos antes de cada relaxamento químico. Cabelo processado em excesso, pode ser restaurado, com cuidados e hidratação, porém, nessas condições, não suportam mais danos, se esses três testes indicarem danos excessivos, o cabeleireiro deve conversar com o cliente, a adiar o serviço e sugerir o cronograma de hidratação, nutrição e reconstrução capilar, para corrigir os danos existentes e reequilibrar a saúde dos fios.

REAÇÃO DE REDUÇÃO A BASE DE TIOGLICOLATO

Os relaxamentos a base de tioglicolato, usam reações de redução para dividir as ligações de dissulfeto, exatamente como no permanente. Enquanto o relaxamento está em contato com o cabelo, um álcali forte, geralmente o hidróxido de amônio, ou o monoetanolamina, amacia e dilata o cabelo para que o ácido tioglicólico possa romper as ligações de dissulfeto. Rompendo as ligações, permite a remoção do excesso de cachos do cabelo, as ligações são refeitos na posição reta por um ação física. Há duas formas de reação física, penteando o cabelo com o agente químico, ou usando as mãos para puxar o cabelo em linha reta, fisicamente o cacho natural é removido pelo pente ou puxado em linha reta pelas mãos. Puxar gentilmente o cabelo com pente, ou com a mão altera as ligações de dissulfeto para novas localizações.


ATENÇÃO! O cabelo que foi reduzido é frágil e carente de força. Cuidado para não puxar o cabelo com muita força, caso contrário, as ligações de peptídeos podem se romper. O manuseio bruto pode causar dano excessivo o cabelo. O ato de puxar é caracterizado como um enluvamento das mechas.

O permanente e o relaxamento químico são serviços muito parecidos. Nos dois casos, as ligações de dissulfeto do cabelo são rompidas. No processo de ondulação permanente, o cabelo enrolado em acessórios para que o cabelo torne-se da forma a ser definida por eles, o objetivo do processo de ondulação permanente é enrolar o cabelo naturalmente liso. Já no relaxamento, o objetivo é exatamente o oposto, ou seja, alisar o cabelo naturalmente enrolado. As ligações de dissulfeto são alteradas para uma posição em linha reta, pela ação mecânica e de força física.

 Uma das diferenças entre o permanente e o relaxamento, é a viscosidade (espessura) do produto. Os relaxantes são mais espessos e tem maior viscosidade, o que é uma vantagem. Um produto espesso mantém o cabelo em uma posição reta enquanto está sendo processado. Materiais graxos e outros condicionadores são misturados em um creme espesso. Isso permite que o creme relaxante, se mantenha no cabelo e não escorra.

As soluções para ondulação permanente, tem baixa viscosidade para segurar uma saturação completa do cabelo que será enrolado no acessório. A alta viscosidade seria uma desvantagem nos permanentes, porque a espessura, tornaria a aplicação, enxágue e neutralização mais difíceis. 

Os dois tipos mais comuns de relaxante químicos são: o tioglicolato de amônia (ATG) e os hidróxidos (OH-), também conhecidos como bases relaxantes ou alisamento mais alcalinos.

RELAXANTES A BASE DE TIOGLICOLATO DE AMÔNIO

O tioglicolato de amônio é o mesmo agente redutor usado em produtos de ondulação permanente, além do pH e da concentração do ATG, sua química é idêntica. Os relaxantes a base de tioglicolato também são mais as espessos e tem maior viscosidade.

Embora os procedimentos sejam diferentes, os relaxantes de tioglicolato rompem as ligações de dissulfeto e amaciam o cabelo. Assim como as ondulações permanentes. Após as ligações de dissulfeto serem rompidas o cabelo se alisa nesse novo formato e o relaxamento é retirado. A retirada  vem em seguida com água em abundância e a aplicação do produto neutralizante. As reações químicas são idênticas às da ondulação permanente.

NEUTRALIZAÇÃO A BASE DE TIOGLICOLATO

O NEUTRALIZANTE DE TIOGLICOLATO usado com relaxantes a base de tioglicolato é um agente oxidante, normalmente peróxido de hidrogênio, assim com os permanentes de tioglicolato. 

A reação oxidante no resultado do neutralizador, reconstrói as ligações de dissulfeto que foram rompidas pelo relaxamento. A reação química do neutralizante é idêntica a do neutralizante usado no processo de ondulação permanente.

A neutralização de um processo de ondulação permanente ou de um creme relaxante a base de tioglicolato é uma reação de oxidação que agrupa as ligações de dissulfeto que foram rompidas durante o processo. O tioglicolato rompe as ligações de dissulfeto, adicionando átomos de hidrogênio há dois átomos de enxofre unidos nas ligações de dissulfeto para formar a água, formação esta, que remove os átomos extras de hidrogênio e permite que as ligações de dissulfeto se formem novamente.

NEUTRALIZANTE DE HIDRÓXIDO

Diferentemente da neutralização do processo de ondulação permanente, a de relaxante de hidróxido, não envolve uma reação oxidante. Neutralizantes de hidróxidos, neutralizam os resíduos alcalinos (OH-) deixados nos cabelos pelo relaxante. O pH dos relaxantes de hidróxidos é tão alto, que o cabelo permanece com pH elevado mesmo depois de totalmente enxaguado. Como os ácidos neutralizam os alcalis, a aplicação de um shampoo ácido balanceado ou de uma loção normalizante, neutraliza quaisquer Íons de hidróxido restante é abaixa o pH do cabelo e do couro cabeludo. Alguns shampoos neutralizantes feitos para usar após o enxágue de cremes relaxantes a base de hidróxidos, tem indicador de pH que mudaram a cor para indicar se o pH do cabelo foi restaurado. Vale lembrar que, em muitos países esses mecanismos indicadores de cor, já está proibido em função das novas legislações neles vigentes.


ESTE ASSUNTO FOI IMPORTANTE PARA VOCÊ?
Gostaria que deixassem seu comentário abaixo para saber se gostaria de obter mais informações sobre os vários tipos de alisamento, relaxamentos e ondulações. Assim prepararei um novo conteúdo, onde irei mais a fundo neste assunto😉


@edilene_de_medeiros 
 

Alejandro Valente
Edilene de Medeiros
Edilene de Medeiros Seguir

Cabeleireira, colorimetrista, educadora, mãe, esposa. Tranferir o que aprendemos, nos faz aprender ainda mais, feliz é o ser que aplica tudo aquilo que sabe e aprende com o que ensina😉😘

Ler matéria completa
Indicados para você